• atendimento84698

Tudo o que você precisa saber sobre o PIX em 10 perguntas

16/08/2021


Com sua introdução no mercado financeiro em novembro de 2020, o PIX foi lançado pelo Banco Central (BC) para promover uma evolução no sistema brasileiro de pagamentos. O termo PIX não é uma sigla, mas remete a conceitos como tecnologia, transação e PIXel.


Os sistemas e plataformas da VCOM estão preparados para apoiar nossos clientes nos processos de recuperação de crédito e cobrança que envolvam as novas modalidades de PIX.


Neste post, o blog da VCOM aborda as novas modalidades de PIX que serão lançadas e que afetam também o mercado de crédito, além de fazer um alerta sobre as fraudes que estão sendo praticadas, infelizmente.


1- O que é o PIX?

O PIX é um novo meio de pagamento instantâneo que chegou para ser uma nova opção de transferência de dinheiro ou pagamento para terceiros ao lado de TED, DOC e cartões de débito. Segundo o BC, as principais vantagens do PIX são: serviço disponível 24 horas do dia, todos os dias, inclusive finais de semana; transações concluídas em menos de 10 segundos; o PIX gratuito para pessoas físicas, inclusive MEIs (microempreendedores individuais).


2- O que é o chave PIX?

Até o lançamento do PIX, a única forma de identificação de pessoas físicas e jurídicas para transações de pagamentos era o número da agência e conta (corrente ou poupança), com a necessidade de informar o CPF ou o CNPJ para realização de DOC ou TED. Com o PIX, a pessoa física ou jurídica pode cadastrar uma chave PIX associada à sua conta para receber o crédito. Os tipos de chaves são: CPF, e-mail, número do telefone celular ou Chave aleatória (número que o sistema do PIX gera para uma conta) ou Endereço Virtual de Pagamento (EVP).


3- A tarifa cobrada pelas instituições financeiras pelo PIX é mais barata em relação a outras transações?

A promessa é de que os bancos, fintechs e outras instituições financeiras cobrem tarifas menores das empresas que utilizam PIX para pagar fornecedores e suas outras contas. Isso porque o custo da transação é inferior ao da emissão de boletos e transferências como TED e DOC. Entretanto, cada instituição tem liberdade para definir suas próprias tarifas para PJs que usam o sistema, o que deve gerar competição entre elas.


4- Como está a adesão ao uso do PIX no mercado brasileiro?

Com pouco mais de seis meses de funcionamento, o PIX possui uma ótima aceitação pela população brasileira, na avaliação do BC. Ao todo, mais de 75 milhões de cidadãos já realizaram um PIX. O sistema conta ainda com um crescimento mensal médio de 57,5%, de acordo com os resultados comemorados pelo Banco Central em sua conta no Twitter.


5- É possível agendar o pagamento de uma pessoa ou fornecedor pelo PIX?

A função agendamento do PIX está disponível desde o lançamento da ferramenta, em novembro de 2020. Entretanto, a oferta desse recurso é facultativa, até o momento, e nem todas as instituições financeiras estão oferecendo a opção. A partir de 1º de setembro de 2021, as instituições financeiras serão obrigadas pelo BC a oferecerem a opção de agendamento a todos os correntistas – pessoas físicas e jurídicas. Ou seja, assim como TED e DOC são serviços de transferências e pagamentos que permitem agendar o dia no qual o dinheiro será creditado na conta destinatária, isso também será realizado pela ferramenta PIX.

6- O que é o PIX Cobrança?

Desde o dia 1º de julho de 2021, empresas e prestadores de serviço podem fornecer um QR Code (versão avançada do código de barras) com data futura de vencimento no PIX Cobrança, modalidade do PIX que veio para substituir os boletos bancários com a promessa de facilitarem a vida dos lojistas, de diferentes perfis de fornecedores, prestadores de serviços, entre outros usuários.


7- O que é o PIX Saque e o PIX troco?

Está prevista, para agosto de 2021, a entrada de mais duas novas modalidades: PIX Saque e PIX Troco. Estas novas alternativas permitirão que os usuários do PIX saquem valores em estabelecimentos comerciais ou prestadoras de serviços.


Com o PIX Saque, os usuários poderão fazer retiradas de valores da sua conta sem que haja qualquer transação comercial com o estabelecimento. Na prática, esta nova modalidade é similar a um saque tradicional realizado em um caixa eletrônico ou no caixa da agência. Já o PIX troco está ligado à compra de um serviço ou produto. Quando efetuar o pagamento por meio do PIX, o usuário poderá fazer a previsão de um “troco” em espécie e sacar o dinheiro.


A sugestão do BC é de que sejam liberadas quatro operações gratuitas por mês nessas novas modalidades. Segundo a autoridade monetária, a partir da quinta transação, as instituições financeiras ou de pagamentos detentoras da conta do sacador poderão cobrar uma tarifa pela transação.


8- Qual a relação entre PIX e Open Banking?

É possível dizer que PIX e Open Banking são serviços que têm objetivos em comum: tornar o sistema financeiro nacional mais moderno e reduzir a burocracia nos processos. Enquanto o PIX permite pagamentos e transferências de valores em até 10 segundos, todos os dias da semana e em qualquer horário, o Open Banking possibilita que um cliente compartilhe seus dados bancários facilmente entre instituições financeiras, com menos burocracia e mais agilidade, ampliando a concorrência entre as empresas.


9- Existem outras modalidades de PIX que ainda serão lançadas?

Entre as principais novidades que devem chegar ao dia a dia do brasileiro ainda neste ano estão o PIX por aproximação, com o objetivo de facilitar pagamentos simples, que não exigem autenticações.


Pela configuração atual, o PIX exige que as duas pontas da transação (pagador e recebedor) estejam conectadas. Com a criação do Pix QR Code offline, a ideia é alcançar também casos nos quais o pagador esteja desconectado. Conforme o BC, essa possibilidade de pagamento já está em fase de desenvolvimento no âmbito do Fórum PIX e deve ser entregue até o fim de 2021. Tem potencial para acelerar ainda mais a utilização do sistema, já que poderá beneficiar usuários, que hoje enfrentam limitações em decorrência de dificuldades de conexão, áreas de cobertura restritas e pacotes de dados limitados.


10- Quais são os tipos de golpes envolvendo o PIX e as medidas de segurança recomendadas pelo Banco Central?


· Central de atendimento falsa: a pessoa interage com uma central de atendimento falsa da instituição financeira e acaba permitindo o acesso às suas credenciais (chave pix). Para se proteger, é necessário sempre desconfiar de tentativas de contato suspeitas, como telefonemas ou mensagens de texto enviadas por números de telefone desconhecidos.


· Invasão de conta: nesse tipo de golpe a pessoa expõe o acesso do seu próprio PIX ou outros dados financeiros, sem intenção, ao responder mensagens suspeitas recebidas por SMS ou WhatsApp, ou acessando uma página falsa de banco na internet. A recomendação é não clicar em links suspeitos recebidos por qualquer meio e só realizar o PIX por meio de aplicativo oficial ou internet banking.


· Clonagem de WhatsApp: o golpista clona o WhatsApp de uma pessoa e solicita transferências de dinheiro por meio do PIX para os contatos. Nesse caso, se você recebeu um pedido, é recomendado confirmar se a pessoa realmente solicitou a transferência. Se o seu WhatsApp foi clonado, faça o bloqueio de acesso ao aplicativo do banco em caso de roubo de celular e sempre configure a confirmação de acesso em duas etapas ao seu app.


· Venda falsa: o golpista anuncia um produto, em site ou rede social, a vítima faz o pagamento via PIX mas não recebe o produto. Aqui é importante verificar a procedência das ofertas e pesquisar a reputação de quem está oferecendo os produtos por meio de sites especializados. Além disso, sempre confira os dados do destinatário antes de confirmar a transferência.


· Comprovante falso: esse golpe acontece quando alguém precisa receber dinheiro de um desconhecido pelo PIX e o golpista pode falsificar um comprovante de operação do pagamento e simular o envio do dinheiro para a conta do vendedor. Entenda que a transferência do PIX é instantânea. Então, se o dinheiro não caiu na sua conta, desconfie.


Gostou das nossas dicas? Para conhecer os sistemas da VCOM, entre em contato com a gente!